"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

THE END


Hoje senti saudade da visão clara e desprendida que me permitia descobrir galáxias, trazendo para perto as menores estrelas, as mais delicadas, sempre quis tê-las.
Absolutamente tudo me parece muito transitório, o riso e o choro da alegria, presos num momento de magia, curtem-se e se encurtam a cada momento, enquanto que na dor, o recolhimento e as lágrimas, muito mais salgadas se provocadas pela falta de amor.
E mesmo em meio a este redemoinho de sentimentos, os meus olhos permanecem ressecados, turvos, gelados, confusos e emaranhados entre o ser e o sentir, as verdades e as mentiras.
Saudade das ilusões que me adoçavam, a nudez dos sentimentos que mais parecia uma prece, ainda que nunca tenha somado nada a quem eu teria dado tudo se pudesse.
Tudo é muito transitório e por isso, nesse momento, os meus olhos parecem úmidos, mas talvez seja só o vapor do café que descansa na xícara ao lado.
Tudo é muito transitório mesmo... A temperatura do café não resistiu a hemorragia de meus dedos e esfriou... Para falar a verdade, o café gelou, semelhante ao estado de meus olhos ainda nas linhas acima.
Então fecho as cortinas, prendendo as estrelas lá fora, pois as maiores já tem donos e as menores nunca serão minhas.
E nesse último segundo, vejo-me nessa última tentativa de adormecer em silêncio, antes que a noite se acabe, mas a lembrança dos que já se foram me invade, então invoco deles a assistência, sabendo-me ser vigiada a cada segundo, talvez por isso, nem tudo no mundo seja desamparo.
Entrego os meus caminhos, as minhas verdades e erros, entendendo que talvez nunca mereça o céu, sabendo-me bem menor até que a menor de todas as estrelas.
Está tudo bem, eu sabia os riscos que corria... Suicidei sim a minha alma, mas na culpa de cada ato, a certeza do amor.
Burrice minha, que mesmo sabendo das transitoriedades da vida, insisti no propósito de alimentar/construir/cativar/ algo que durasse, que se bastasse apenas por ser verdadeiro.
Amanheceu... E as horas do dia não me servem à poesia, então vou em busca de mais um café que me desperte para a vida, desejando profundamente que nunca mais anoiteça e que o cansaço adormeça as minhas mãos, ignorando completamente as digitais que compõem o meu coração.

lumansanaris (letras do esgoto)
Imagem: Google

G R A T I D Ã O



Enquanto a poesia estiver
ao alcance das mãos,
a direção dos ventos
não me causa preocupação.
Pois da escrita que me vem a tolerância
para os momentos em que as horas,
caminham lentas.
Desconheço as reservas de meu futuro
mas, não espero nada menor
que o melhor de mim.
Os meus passos são guiados pela verdade
e o todo o resto, pelo coração.
A minha esperança não conhece fim,
trago-a refletida no olhar
como bandeira que me impulsiona 
a sempre seguir em frente.
Procuro incansavelmente 
ternuras em tudo o que vejo
e o meu maior desejo,
consiste em enxergar, verdadeiramente,
as energias mais puras.
E quando chega a noite,
espero as estrelas acenderem
 fascínio em mim.
E, em meio aos ventos,
a poesia,
a tolerância do presente,
as reservas do futuro,
a construção do melhor de mim,
as verdades,
o coração,
a esperança
e tudo o que posso enxergar,
faço uma pequena pausa
permitindo que uma lágrima
contorne o meu olhar
para que eu possa libertar
o meu melhor sentimento 
de gratidão.

Lumansanaris
Imagem: Google

P A R T I T U R A S


Recolhi as pedras do meu caminho
e desenhei com elas, lindas partituras.
Algumas congruentes,
outras divergentes...
Porque a beleza
também é feita de contrastes
e o aprendizado
totalmente livre de limitação...
Nada foi excluído, tudo foi acrescentado.
Fiz dos ritmos que não me agradavam
uma razão a mais para buscar 
a fonte primordial ao meu ser.
Porque as decisões de cada segundo
muitas vezes,
traçam definidas linhas de uma vida.
Então nesse ponto, volto-me as partituras
que precisam de estudo e disciplina
para desenharem
a mais harmônica canção.
  
lumansanaris 29/01/12
Imagem: Google

O ESPELHO


                                                            A vida pelo espelho
                                                                          não pulsa!
                                                                   Reflexos vazios,
                                               visão externa de meu mundo.

                                                            Se me mostra rugas,
                                        desconhece os meus cataclismas,
                                                                               o tempo 
                                             e o movimento que eu causei,
                                                                   por  onde andei.

                                                 Se me revela a magra face,
                                                               o que sabe mesmo
                                                 sobre o peso de meus dias?
                                       E se a carne se mostra abundante,
                                                          desconhece os sonhos 
                                                                    que me levitam.

                                                           O que sabe o espelho
                                                              sobre este perfume
                                               verde encanto natureza viva
                                                         que me exala da pele?

                                            Gargalho em frente ao espelho
                                        e só o meu som ecoa pelo espaço.
                                                             
                                                              O espelho, ali preso 
                                                        apenas reflete os cortes
                                                           da navalha do tempo.

                                                   Nada sabe de sentimentos
                                                        de minhas companhias
                                                                        e abandonos.

                                                Se me quebro em mil partes
                                                             o espelho as reflete,
                                                                       se ele partido, 
                                                 em cada pedaço de sua dor
                                                     vejo-me inteira refletida.

                                                            A vida pelo espelho
                                                                          não pulsa!
                                                                  Reflexos vazios
                                              visão externa de meu mundo.

                                                                    Lumansanaris
                                                                Imagem: Google

CORAÇÃO POENTE


 A princípio pode parecer tristeza,
descontentamento...
Os meus olhos deságuam
a garoa fina de uma esperança
clara e menina.
Talvez um dia ela cresça
amadureça e
passe a desacreditar.
Então nesse dia
a minha vida será desenvolvida
através do pensar, a razão.
Mas enquanto ele não chega
vou vivendo.
A face molhada, colhe no segundo
 um riso
fazendo pausa para o retrato.
Loucura é me afirmar triste
quando tenho sobrevivido
tão somente,
das coisas do coração.
Todo o resto é muito passageiro,
hoje os sonhos ocupam
onde haviam pesadelos.
Amanhã a dor haverá lapidado
o que está no centro,
e então as lembranças servirão de alento.
E nesse fio da memória
um impulso de felicidade,
duradoura ou breve, não sei!
Mas no coração a certeza,
inocente ou não, certa ou errada,
verdadeiramente amei.
  
lumansanaris
Imagens: Google

NA VALSA DAS HORAS

                                      

                                       Gosto de te namorar
                                        quando o céu anil
                                        busca o laranja
                                        e segue...
                                        Abraçando tons lilases,
                                        seduzindo turquesas
                                        até alcançar a intimidade
                                        do negro manto
                                        que acende as estrelas.
                                        Fascina-me essa transição
                                        que me deixa ao alcance
                                        de tuas mãos.
                                        E vestida de lua
                                        meus olhos buscam repouso
                                        no caleidoscópio de tuas retinas.
                                        Amanheces-me a alma
                                        para um despertar de amor
                                        e pelos desejos que incitas,
                                        amadureces docemente as horas
                                        provocando-me o melhor
                                        do existir.
                                        E mesmo que em ti, nunca se faça tarde
                                        anoiteces-me o despertar.
                                        E é por essa razão
                                        que passei a colecionar
                                        estrelas cadentes...
                                        Pois nelas viajo
                                        só para alcançar, uma vez mais,
                                        o solstício de teu olhar.

                                         lumansanaris
                                         Imagem: Google

N A D A


                    Nasci assim
                    mente e coração inquietos.
                    Talvez por isso
                    essa falta de harmonia entre eles
                    e a permanente dor na alma.
                    Ah, o meu coração
                    quase sempre não cabe em mim...
                    Cansa-me essa luta diária,
                    esse respirar que o alimenta de vida e
                    rouba da minha.
                    Esse nó preso na garganta
                    soluça-me palavras
                    que até parecem desconexas, mas
                    isso é só aparência,
                    pois são intensos os sentires...
                    Esse é apenas mais um detalhe
                    e ao leitor, não faria diferença alguma.
                    Isso nem é um poema,
                    a verdade é muito triste,
                    as esperas não se esgotam,
                    as feridas estão abertas,
                    qualquer tentativa é um erro,
                    a inocência uma burrice,
                    as palavras são o meu grito
                    e o silêncio, já nem mais representa paz.
                    Perdi ali
                    naquele momento em que
                    escolhi ser eu...
                    Isso tudo, é nada.

                                                lumansanaris
                                                Imagem: Google

 

P E R E N E


                                    Quando muita, a febre do sentir
                                      derrama-se sobre a face.
                                      E mesmo que nunca se esgote
                                      os olhos acabam secando
                                      para sorrir outra vez...
                                      Tornei-me instável
                                      Bem no momento em que passei a sentir
                                      tanto assim.
                                      Alegra-me o brilho noturno das estrelas
                                      e me acarinham os seus estilhaços
                                      bailando sob meus pés, a beira-mar.
                                      O amor é feito oceano
                                      alguns dias de sol e calor
                                      e outros de tempestade e neblina.
                                      Encanta, seduz, invoca pra perto,
                                      salga, liberta e aprisiona.
                                      e às vezes, até cansa...
                                      É como uma grande ressaca
                                      vivida na margem
                                      - dos sentires -
                                      E as mesmas ondas que se levantam
                                      e arrastam
                                      também trazem para perto.
                                      Amar assim
                                      é como navegar sem medo
                                      rumo ao desconhecido.
                                      E todo o resto é feito espuma
                                      que limpa a alma,
                                      resultado da luta 
                                      entre as pedras da dor
                                      e as águas do amor.
                                      E no meio disso tudo, os meus olhos
                                      insistem em derramar.
                                      Eu, novamente a beira-mar
                                      mas dizem que amanhã,
                                      teremos sol...

                                      lumansanaris
                                      Imagem: Google

                     

NAUFRAGADA


                                         Feri todos os dedos
                                         tentando me agarrar à margem.
                                          Agora, sangram exaustos!
                                          Teimo em não afundar
                                          mas as águas, também insistem 
                                          em crescer.
                                          Ainda tento, a todo momento.
                                          Com olhos naufragados,
                                          uma alma fracassada
                                          e uma saudade que não é minha.
                                          Essas pedras são meus caminhos
                                          que de tão estreitos,
                                          fizeram-me sozinha,
                                          numa jornada em desalinho.
                                          Sangram os dedos,
                                          permanecem os medos.
                                          Enquanto um vento frio
                                      navalha o pouco que havia
                                        na alma.
                                      Em dias assim,
                                          o amanhecer se faz tarde
                                          e a beleza permanece oculta.
                                          Continuo só, estranha e indigesta!
                                          E o mundo também me parece
                                          em desuso, porém, preso
                                         em alguma margem...
                                          E mesmo que alguma força me notasse,
                                          - espero não ser reconhecida. -

                                          lumansanaris
                                          Imagem: Google

Real Time Web Analytics